O Cordeiro Imolado foi alvo da Misericórdia de alguém que pecou por toda a sua vida

Um dos malfeitores crucificados o insultava, dizendo:
‘Tu não és o Cristo? Salva-te a ti mesmo e a nós!’
Mas o outro o repreendeu, dizendo:
‘Nem sequer temes a Deus,
tu que sofres a mesma condenação?
Para nós, é justo,
porque estamos recebendo o que merecemos;
mas ele não fez nada de mal.’
E acrescentou: ‘Jesus, lembra-te de mim,
quando entrares no teu reinado.’

(Lc23, 39-42)

Iniciamos a Semana Santa neste Jubileu da Misericórdia contemplando a Paixão do Senhor, sua entrega eucarística no Altar da Cruz. Como diz o prefácio, ele é ao mesmo tempo: altar, sacerdote e cordeiro.

As mesmas mãos que trabalharam a madeira agora são fixadas ao mesmo lenho. A mesma matéria que o deu a dignidade de trabalhador agora o faz sacerdote. Outrora o suor pingava sobre a madeira trabalhada, agora é seu sangue que fecunda o lenho da Cruz. Outrora escutava as ternas vozes de José e Maria na simplicidade da carpintaria de Nazaré, agora são as gozações e injúrias que tornam mais dolorosa sua paixão.

O “não ser amado” doeu mais que o “ser pregado”, mas uma voz de ternura ecoou bem perto, a voz de Dimas, o “bom Ladrão”, aquele que viu Deus naquele que tinha a aparência da agonia, sem roupa e sem dignidade. Aquele Nu Desfigurado foi contemplado como o Amor Vestido em Traje de Festa.

O Cordeiro Imolado foi alvo da Misericórdia de alguém que pecou por toda a sua vida, alguém que não se fez de vítima, alguém que sabia o porquê de sua crucificação e também, alguém que se deixou tocar pela dor do outro mesmo em meio as suas dores.

Que nosso “Hosana” seja mantido mesmo em nossas crucificações, quando Deus parece ser ausente, distante.  Que o Sangue do Cordeiro nos faça um povo sacerdotal no serviço profético, na construção do Reino.

Uma leitura orante:

1ª Leitura – Is 50,4-7

Salmo – Sl 21,8-9.17-18a.19-20.23-24 (R.2a)

2ª Leitura – Fl 2,6-11

Evangelho – Procissão – Lc 19,28-40

Evangelho – Lc 22,14-23,56

 

Por pe. Éder Carvalho Assunção

Missionário da Prelazia de Lábrea no Corno da África

[email protected]

www.prelaziadelabrea.org.br

COMPARTILHE:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no google
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no email

AJUDE
A PRELAZIA

X