20 de Março de 2015

“Direitos Humanos e indústrias extrativas na América Latina”.

Publicado por

Dentre os muitos movimentos sociais que trabalham na Pan-Amazônia, contamos com a alegre presença dos missionários e missionárias que caminham ao lado das populações tradicionais. À partir deste testemunho, ontem, em Washington, realizou-se uma audiência pública na Comissão Inter-Americana de Direitos Humanos. Dom Roque, bispo de Roraima representou os missionários e missionárias que trabalham na Amazônia Brasileira.

Confira abaixo:

ROMA, 18 de Março de 2015 (Zenit.org) – Representantes da Igreja católica latino-americana serão ouvidos em audiência pública pela Comissão Inter-Americana de Direitos Humanos (CIDH), em Washington, quinta-feira, 19 de março. Nesta sede, exporão sua posição sobre “Direitos Humanos e indústrias extrativas na América Latina”.

Segundo informações da Agência Fides, participarão da audiência representantes do Conselho Episcopal Latino-americano (CELAM), a Rede Eclesial Pan-Amazônica (REPAM), o Secretariado Latino-americano e do Caribe da Caritas (SELACC), a Confederação Latino-americana e caribenha de Religiosos e Religiosas (CLAR) e a Comissão da CNBB para a Amazônia.

Eles devem ilustrar a posição da Igreja católica diante da violação dos direitos humanos das populações indígenas e campesinas cometidas pelas indústrias extrativas na América Latina.

Serão expostos os casos emblemáticos ocorridos no Brasil, Equador, Honduras, México e Peru, e formuladas recomendações aos Estados membros e às sociedade civil do continente.

A delegação entregará à Comissão um relatório sobre os casos em que a Igreja católica teve um papel importante em deter as violações dos direitos humanos cometidas pelas empresas extrativas, assinalando também a indiferença de muitos Estados da região.

O relatório ressalta também a criminalização dos defensores de direitos humanos e as graves consequências na saúde, na integridade e na vida, sobretudo das comunidades indígenas e campesinas.

A Igreja – informou também a agência Fides – já denunciou estas situações no passado.

Fonte: Zenit

Deixe seu comentário

Seu endereço de email não será publicado.requerido

*

* *